sexta-feira, 5 de setembro de 2008

Percurso...

8h00 - toca o despertador. "oh não" penso eu, viro-me para o lado.

8h10 - toca novamente o despertador. "já? bom tenho de acordar. que manhã cinzenta, estará a chover? Não oiço a chuva, se calhar não está. O que é que eu tenho que fazer hoje? Ah já sei, trabalho, depois uma consulta e termina com uma ida á depilação. Ok, bom, então devia vestir qq coisinha melhor, já que tenho uma consulta, não que seja preciso porque uso bata, mas devia, eu gostava de ir a uma consulta em que a pessoa não estivesse de chinelos. Ok, sendo assim tenho de ir passar qq coisa. Mas o quê? Já sei, visto as calças cinzentas chumbo com uma camisa azul clara ás bolinhas e as sandálias pretas."
8h45 - "já?! estou lixada, tão tarde" levanto-me da cama, vou a correr beber uma caneca de café com leite gelado, "hoje não me apetece torrada", vou passar a roupa, banho e visto-me.
9h20 - "estas calças com estas sandálias ficam horriveis!, merda, devia ter outras, isto assim afunila, vou pisar as calças, que chatice. bom, agr tb já não tenho tempo, afinal, entro as 9h30". Ponho anel, brincos e um pulseira, tá a andar, penteio, lavo os dentes, cremes e tal, e saio de casa.
9h45 -"fixe, nem chove nem faz frio. Bem, esta gente parece que já vai a meio do dia, tão activos, só eu é que não. Porque é que olham p mim?"
9h55 - é a hora que está no relogio do metro, cuja estação eu atravesso p atravessar a avenida. "fogo, hoje é que estou mesmo atrasada. Mas porque é que estão a olhar p mim?"
10h00 - vai-se pela sombra, chega-se a uma esquina, o sol bate. "ai, que horror, que calor, já estou a suar, que nojo". Atravesso outra avenida e logo a seguir para o outro lado da rua, ali mais á frente há um café que tem um exaustor com um cheiro horrivel que eu não gosto. vou a andar e oiço "sssssssssssss", " mas sssssssssssss o quê? tá caladinho!" é o que me apetece dizer qd passo pelo funcionário da loja de tvs que está ca fora a fumar um cigarro, mas não digo, não gosto de responder na rua. "aposto que é por causa destas calças que afunilam, e me estão justas no rabo, não as devia ter trazido, merda, agr já não dá, tenho de andar assim o dia todo."
10h05 - "oh não, está ali uma senhora a varrer o tapete do prédio! ai que horror, aposto que o pó vem todo p cima de mim eu vou respirá-lo, e vai-se colar à minha cara, pq o creme ainda não foi absorvido, e se foi, agr estou a suar, que nojo!" , não respiro qd passo pela senhora.
Outra esquina, "que bom, esta rua não tem cheiros!". Vem uma rabanada de vento, com umas folhinhas que rebolam pelo chão e uma cola-se entre o dedo grande do pé e o do lado. "ai, blharrq" sacudo o pé a folhinha lá cai e sigo. Despenteio-me. Segundos depois, numa pedra torta escorrego na sandália, torço o pé, que toca de lado no chão, uma desgraça. "ai, que desconfortável, que horror, agr o meu pé está sujo, já não bastava a folha, agr isto...!"
10h10 - Outra rua. Esta tem MUITOS cheiros, é uma rua que eu não gosto. 1º um café cujos cheiros fazem antever o almoço. Cheira a refogado e estufado, mix frito, é a carne que vai servir de almoço, recheio de empada e de pastel de massa tenra. Sigo. Mais á frente, de uma tasca manhosa, é frito, mas frito, com oleo, cheiro de croquete, rissol, panado e chamuça. " vou chorar, toda eu sou cheiros, pronto, já se colou ao meu cabelo, que merda, uma pessoa até sai de casa limpinha mas chega ao trabalho a cheirar a almoço!!!!"
10h15 - o ultimo café, "finalmente a chegar, é o ultimo, vá MG aguenta" e sigo.
10h17 - entro no prédio. "fu, que pivete a caixote de lixo" subo a escadas, venho a arfar, entro, não me apetece, digo bom dia, mal humorada. ligo o pc. recebi 1 mail, ena, é a loucura. "e agr? seca, nada p fazer". Estou cheia de calor, cheia de cheiros que não me pertencem, a única coisa que me vai dar gozo hoje é a tal consulta que é as 18h00, a essa altura já eu tenho ainda mais cheiros, provavelmente meus, o cabelo já está horrivel e colado á cabeça, despenteado, a camisa que é uma porcaria, já dá vontade de deitar p lixo, as calças continuam coladas ao rabo e eu continuo a pisá-las. Combinei almoçar com um amigo "caguei, não vou nesta figurinha deprimente, vou inventar uma desculpa". Não quero que ninguém me veja.
"que dor de cabeça horrivel, que fome, mas pq é que não comi uma torrada?" " coitada da depiladora ao fim do dia...." penso eu.
"bom, vou ver quem está no messenger..."

8 comentários:

Corine disse...

hahahahahahahahahaha....não posso mais....

posso contar-te que o meu não começou muito melhor, aliás ontem já acabou mal!

foi-me comunicado que teria que deixar entrar senhores para fazer obras em minha casa porque no andar de baixao havia infiltrações. Claro que eu, como pessoa preocupada que sou (se fosse eu também que gostava de ter vizinhos colaborantes) disse logo sim. Os senhores foram para lá ontem de manhã. Quando cheguei a casa ao fim do dia nem queria acreditar no que estava a ver. Resolveram qe tinham que partir as paredes e então, sem encontrarem nenhuma necessidade de me comunicar, começaram os trabalhos para cima da minha comida e loiça na cozinha e para cima da minha roupa e objectos pessoais no quarto. Hoje fui de manhã cedo com a intenção de ter uma conversa com o responsavel da obra e por um termo ao assunto, escusado será dizer que ele já lá não estava.
Apanhei outra carga de nervos e acabei a 'malhar' no senhor que está a fazer o trabalho. Perguntei-lhe se ele achava normal aquele procedimento e se era habitual começarem a partir a casa das outras pessoas sem avisar e ainda por cima sem aplicar qualquer tipo de protecção sobre os bens que não lhes pertencem. Com isto tudo já saí da lá atrasada, ainda tive que ir a correr a casa dos meus pais por algumas coisas, tinha acabado de tomar banho, já estava a transpiar, o meu cabelo mais desorganizado do que já é habitual, trazia terra nos sapatos e pó nas mãos e cara, agarrado aos cremes que finalizam a higiene matinal...um humor de cão, com vontade de desancar o primeiro que se atravessa-se à frente.
Neste momento estou a tentar ocupar-me dos meus afazeres no trabalho, acalmar-me e escrever uma carta que irá seguir em correio registado e com aviso de recepção avisando o meu senhorio do sucedido, pedindo-lhe explicações e avisa-lo de como as coisas devem prosseguir...a bem da nação.


compreendo e estou solidária.

Madame Giselle disse...

Obrigada.

Eu também lhe desejo a melhor resolução possivel.

Corine disse...

ah...e esqueci-me de dizer que a minha casa não sendo mais que um pequeno casulo (e já ouvi dizer que os há com melhores condições de habitabilidade...) estou completamente impossibilitada de lá estar durante este perído de obras...mais uma vez, sem ter qualquer conhecimento do que iria acontecer...

Madame Giselle disse...

Não havemos nós de estar loucas!

Não havemos nós de querer que nos compreendam!

Era importante saber o que estes pequenos acontecimentos provocam na nossa forma de estar, e na forma como desenvolvemos os nossos dias.


Alguém tem de entender como pensamos!

Madame Giselle disse...

Não me canso de me ler,não por ser meu, mas porque aposto que há milhoes de mulheres que pensam como eu nestas situações.

isto devia ser publicado num outdoor para toda a gente ver...

Cocaina disse...

hahahahahah!!!!

Só agora li
está do melhor
Como vos compreendo!!!

Freak n'Chic disse...

Ai que desgraceira. POis posso partilhar apenas que não tendo sido uma manhã particularmente difícil, também não foi fácil de todo.

NÃO se aguenta ter que levantar às 6.30 da matina para ir para o CU do mundo... Uns meros 90minutos de deslocação - ISTO TODOS OS DIAS, ENTENDA-SE.

Estou tão cansado. HAGUÉM QUE ME TRAGA ALGUMA COISA FORTE PARA BEBER... OU MATEM-ME JÁ!

Madame Giselle disse...

pum!