terça-feira, 22 de abril de 2008

Rolando Sobre o Gramado

Não. Não me refiro a um Sr. Rolando que rebola alegremente num verde prado. Refiro-me antes ao FUTEBOL. Se me perguntarem eu direi que não gosto de futebol, ou melhor direi que não ligo, que não faz parte dos meus interesses a par de muitas outras coisas. Admito que possa ser uma atitude contra-corrente. Tudo o que for massificado em demasia é de desconfiar.
Mas o futebol, reconheço, é um prodígio.
Qual é o assunto nos cafés, nos transportes públicos, nos restaurantes, no local de trabalho sobretudo à segunda-feira? Pois é. O futebol tem o condão de pôr pessoas a debater, como se de uma questão pessoal se tratasse, horas a fio. Talvez a maioria não tenha outro tema de conversa. E o desporto-rei tem outros “méritos”:
1. Aproxima as pessoas já que é um tema de interesse e conhecimento generalizados;
2. É um quebra-gelo. Já que se está a falar do assunto – Qual é o teu clube? – Não, melhor: – És do Benfica ou do Sporting? – Como se não houvesse vida, em particular, para além destes dois clubes e, em geral, para além do futebol.
É um fenómeno. O País pára quando joga a Selecção. Os patrões instalam televisores para que ninguém perca o jogo. Os agentes da autoridade fazem vista grossa ao buzinão e ao caos porque os PORTUGUESES, os SPORTINGUISTAS, os BENFIQUISTAS e outros que tal estão a comemorar. Não faz mal que estejam madrugada fora em sôfrego buzinão, não faz mal que amanhã seja dia de escola, Não faz mal que se chegue atrasado ao emprego e se passe metade do expediente a comentar a efeméride [é por um BEM-MAIOR].
E se eu dissesse ao meu chefe que preciso de sair mais cedo para poder chegar a tempo aos concertos de S. Roque?
Até o telejornal que começa sacramentalmente às oito da noite é antecipado ou protelado conforme o horário da transmissão do jogo da bola. Se não houver noticiário ou se resumir a ¼ de hora não é por aí… De qualquer forma grande parte da emissão é dedicada ao futebol.
O ópio do povo é o futebol e eu devo admitir que não há nenhum desporto que me titile em especial. Qualquer pessoa que não esteja para aí virada fica um nadinha aborrecida quando sempre que há uma maratona [mini, maxi, das mulheres, das crianças, dos avós, do cão, do periquito, etc.], mesmo que sejam três gatos-pingados de língua de fora e camisola colado ao corpo, pára tudo! Vá de cortar as principais avenidas da cidade. Sabem, é que não há mais sítios onde se consiga fazer uma prova.
É claro que o desporto-rei não tem só pontos negativos, au contraire. Haja pelo menos uma coisa que arranque as pessoas do torpor, que as faça sair à rua, exprimir-se.
É pena que essas manifestações de coesão nacional sejam apenas em prol de uma coisa que, na minha opinião, não interessa nada. Gostava de ver, um dia, uma vez, surgir um movimento espontâneo a gritarem, como grita o Sérgio Godinho [e por esta ordem]: PAZ! PÃO! HABITAÇÃO! SAÚDE! EDUCAÇÃO!
Ainda somos muito o País dos FFF a que eu acrescento PP.

2 comentários:

corine disse...

Fucking Freak n' fucking Chic Darling!!!!!

You've said it!!!!!

Nem mais sweetie, é isso....como me revejo. O que me revolta ecomo me apaziguam tuas palavras...

Um grande bem haje e obrigada por seres quem és!!!!

Freak n'Chic disse...

Obrigados...